Arquivo por categoria: quinta categoria

Eu só queria uma vida melhor

Mamãe disse que hoje era o nosso grande dia. Eu e meus três irmãos saímos de Istambul com o destino à praia. Toda criança gosta de sentir a terra molhada nos pés e brincar com castelos de areia. Ela estava preocupada e sempre verificava se tudo estava bem. Nós estamos equipados com dois coletes salva-vidas e muita esperança.

O primeiro obstáculo era passar para o outro lado. Tínhamos que deixar todo aquele ambiente aterrorizante que vive hoje a nossa terra natal. A Síria é uma ex-colônia francesa que foi abandonada em 1946. De lá pra cá, a Síria sempre esteve em conflitos contra o Iraque e Israel. O povo sírio não sabe muito bem o significado da paz.

Quando chegamos à Turquia, mamãe disse que estamos mais próximos da Europa. Eu observava ela contar para meus irmãos que os Europeus também tiveram que sair de suas casas por causa da Segunda Guerra Mundial. Muitos atravessaram o Oceano Atlântico e foram para a América do Sul. Os livros contam que eles foram fundamentais para o desenvolvimento das cidades. Ela também falou que o caminho mais barato e seguro para chegar à Europa seria através do Mar Mediterrâneo.

Depois de uma longa viagem, chegamos ao litoral. A cidade de Bodrum é um paraíso para artistas, poetas, empresários e jogadores de futebol. Com hotéis e resorts de luxo aquele pedaço de terra realmente foi abençoado por Deus.

rico

A cidade de Bodrum

Agora iriamos esperar a noite chegar. É nessa hora que a maioria dos refugiados utiliza para tentar a sorte grande. Estamos sozinhos, comtemplando a lua, na hora marcada ouvimos um apito vindo do norte, era o sinal combinado com o atravessador. De repente, surgiam mais pessoas saindo debaixo das pedras, arvores e bangalôs de resorts.

O Coiote pediu 500 Euros por cabeça. Minha mãe tira uma bolsa de pano que estava dentro da calcinha, totalizando 2,5 mil Euros que ela ganhou lecionando inglês clandestinamente para as crianças recrutadas pelo Estado Islâmico. Ela tinha um pouco de nojo daquele dinheiro. Mas se não fosse assim, ela jamais conseguiria a quantia necessária para chegar até a Europa. A passagem era para uma viagem pelo Mar Mediterrâneo num bote improvisado e superlotado.

A distância entre Budrum e Kos no litoral da Grécia gira em torno de 5 quilômetros. É um dos caminhos mais curtos para se chegar ao Velho Continente. Mas essa é apenas a primeira parte para quem pretende seguir viagem até a Alemanha, atravessando a Macedônia, a Sérvia, a Hungria e a Áustria. Eu escutava tudo aquilo e não entendia muito bem.

Mas mamãe estava confiante apesar da agitação do mar. O começo da travessia foi tranquilo, mas durante a navegação um Sírio acusou outro membro da embarcação de roubo. Meu irmão mais velho me abraçou forte me protegendo daquela água gelada enquanto algumas mulheres de idade gritavam palavras de clamor e fé. Um homem puxou uma faca e na tentativa de ferir o agressor, acabou acertando o bote frágil e lotado.

Em menos de quinze segundos, mamãe colocou um colete nela e outro naquele que estava comigo e disse olhando nos olhos dele:

– Salve-se! Nade até a costa, são menos de 4 quilômetros, vá!

Ele olhou para o horizonte e viu pontos de luz pequenos com fadas. Uma vontade que eu jamais presenciei: um garoto de dez anos nadando bravamente. Ele pedia para eu ficar olhando as fadas. Depois de alguns minutos ele parou de perguntar. Eu senti sua mão se soltar da minha cintura.

Durante aquele tempo, não sei se foram segundos ou minutos em que fiquei debatendo minhas pernas e meus braços, na tentativa infeliz de não engolir muita água. Foi em vão. Ao mesmo tempo eu queria continuar vendo as fadas no final do horizonte. Eu dormi, apaguei. Só acordei de manhã, estava vendo um menino vestido a mesma roupa que eu, ele tinha chegado até a praia. Ele conseguiu chegar ao paraíso.

Eduardo Vinha. Meu site: https://escrevoparanaoenlouquecer.wordpress.com/

Minha página pessoal: https://www.facebook.com/eduardo.vinha

Link permanente para este artigo: http://artenomovimento.com.br/blog/eu-so-queria-uma-vida-melhor/

Vamos para Miami?

Uma matéria publicada no portal UOL diz: Brasileiros compram 60% de condomínio de luxo com garagem de iate em Miami. E eu achando que eles estavam brincando. Morar em Higienópolis é para os fracos, os que batem panela e colocam aquele adesivo: “Fora Dilma” na porta traseira do Evoque.

O homem que tem grana passeia de iate, acorda dez horas da manhã, pega a Ferrari e vai pescar umas garotas na Colins Avenue. Depois de fazer o arrasto ele toca para Marina que fica nos fundos do condomínio. Já a mulher tem 380 ml de silicone, 8 cirurgias plásticas, 5 cartões de crédito bandeira Platinum e 2 babas mexicanas.

Sério, você acha que esse tipo de pessoa bate panela?

A verdadeira elite brasileira assiste na Globo Internacional o Brasil virar um caldeirão. Uma grande massa de trabalhadores que assistem seus salários serem corridos por aumentos absurdos. O peso das contas fixas (água, luz, internet, transporte, alimentação e serviços) é muito maior para a população mais pobre.

Pessoas perdendo emprego enquanto o maldito balcão de negócios espúrios, desonestos e podres segue a todo vapor na Praça dos Três Poderes.

MIAMI

Mouth of Miami River 20100211″ por Marc Averette

 

Se eu tivesse muito dinheiro também iria morar em Miami. Além das praias maravilhosas, eu não precisava lembrar que o Renan Calheiros estava questionando a ética de um candidato do Supremo Tribunal Federal. Parece matéria do Sensacionalista.

Mas voltando a matéria do UOL, gostaria de saber se todos os proprietários desses apartamentos são pessoas honestas. Eu espero que sejam jogadores de futebol, artistas, empresários e banqueiros que trabalham de uma forma correta e que recolhem todos os seus devidos tributos para o governo federal.

Tomara que eles também tenham dinheiro investido no Brasil, diretamente, na cadeia produtiva gerando renda através de empregos de qualidade, ao invés do capital especulativo.

A questão mais profunda é: o que iremos fazer com esse sistema político-econômico que representa aqueles que moram em Miami?

Ainda não sabemos o tamanho da nossa força, mas essa hora está cada vez mais próxima. Em breve a verdadeira elite brasileira assistirá direto de Miami, uma nova onda de protestos violentos porque o nosso tecido social está muito puído, e logo se rasgará.

Que dias melhores venham breve.

Eduardo Vinha. Meu site: https://escrevoparanaoenlouquecer.wordpress.com/

Minha página pessoal: https://www.facebook.com/eduardo.vinha

Link permanente para este artigo: http://artenomovimento.com.br/blog/vamos-para-miami/

Somos nós

Você acorda e checa suas redes sociais. Bebês, gatos, festas, diplomas e qualquer outro lugar que combine com um sorriso no rosto. Realmente, o planeta Terra que habita o Facebook é muito mais feliz do que aquele planeta azul pintado na parede da escola estadual onde estudei.

Como pensará essa geração criada dentro de pensamento binário.

Vivemos a cultura do “nós contra eles” e todos correndo atrás do dinheiro.  Professores são expulsos da casa do povo com bombas de gás, cachorros ferozes e sangue nos olhos. O ódio pulsa dentro dos órgãos de segurança do Estado.

Enquanto ocorre a luta de pobre versus pobre, os oligarcas bebem Chandon. A bomba de efeito moral tem o poder de ofuscar o brindar das taças daqueles que bebem o sangue dos que não têm voz.

A presidente não falará em cadeia de rádio e televisão, esse primeiro de maio está esquisito. Também o trabalhador está perdido, ou melhor, estará ainda mais. Por que Dilma não aproveitou a oportunidade para mostrar sua posição em relação a PL 4330?

Será que ela teria coragem de peitar o “primeiro ministro” Eduardo Cunha e vetar o projeto que rasga aquela carteira azul que usamos para abrir um crediário nas Casas Bahia?

Chegamos ao ponto frágil da nossa democracia, então vamos entrar no circulo vicioso da alienação política brasileira. Os candidatos precisam conquistar o voto da maioria (incluindo todas as classes sociais) e como sabemos, mais de 76% dos brasileiros possuem uma renda média até 2 salários mínimos, os políticos vão sempre enganar essa parcela.

Mas nos bastidores, cerca de 3% da população (grandes empresas de todos os segmentos da sociedade, atletas consagrados, mídia e os classistas) patrocina os mesmos candidatos que estão no picadeiro mentindo para grande parte do eleitorado.

A Dilma, Aécio e a Marina possuem suas diferenças, mas os patrocinadores são os mesmos.

Será que existe gente doida que briga por causa das diferenças entre Toddy e Nescau?

Somos nós que os elegemos.

Hoje vemos professores batendo naqueles que ensinam seus filhos, assistimos atônitos os protestos nos Estados Unidos e pensamos, não somos como eles. Nós somos testemunhas de assassinatos de negros que portavam uma carteira azul com brasão guardada no bolso traseiro da calça jeans, e não fazemos nada.

Somos nós e não eles.

Somos nós que erramos assim como eles erram ao ordenar o ataque contra pessoas inocentes ou quando abrem contas numeradas no HSBC para drenar o dinheiro suado de um monte de nós.

Bom feriado para eu, você, nós e eles.

Eduardo Vinha.

Meu site: https://escrevoparanaoenlouquecer.wordpress.com/

Minha página pessoal: https://www.facebook.com/eduardo.vinha

Link permanente para este artigo: http://artenomovimento.com.br/blog/somos-nos/

O alto preço da verdade

Cid Gomes botou pra foder! Esculachou geral trocando o vossa excelência por achacadores, tudo isso diante de 300 picaretas ou achacadores.

Os protestos de 15 de março mostram muito além da insatisfação da população perante o governo, ele mostra sentimentos como ódio, loucura, alienação e poucas doses de lucidez e quase nada de objetividade além de tirar o PT do poder. O mantra cego do “Fora Dilma” só beneficiará três personagens: a oposição, a grande mídia e a manutenção do status quo.

Lula já dizia com razão que é muito fácil ser de direita no Brasil, pois eles possuem todo o aparato midiático, bancos e demais setores dominantes da cadeia produtiva ao lado deles. Não quero tornar esse texto pedante ou Marxista, porém algumas verdades precisam ser ditas também, conforme fez o ex-ministro da educação.

Podemos afirmar que mais de 75% dos eleitores nascidos após 1973 são ou serão viúvas do PT. Esse partido traiu o nosso voto por causa da governabilidade. Assim como fez o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso com o mesmo partido, o PMDB. Acreditar que Michel Temer será melhor que Dilma é uma aposta arriscada. Porém ele tem um trunfo que o PT não tem. Dilma é favorável a regulação dos meios que operam por ondas de magnéticas (rádio e TV apenas), mas o PMDB é contra.

cid

Para piorar o cenário, vivemos num país que possui uma constituição que favorece o parlamentarismo e somos governados pelo regime presidencialista. Sim, somos todos descendentes dos lusitanos, pois a nossa constituição foi promulgada em 1988 e o plebiscito para escolher a forma de governo ocorreu em 1993. Pois é, isso não é culpa da Dilma, muito menos do PT ou FHC.

Em 2015 o governo Dilma estendeu o tapete vermelho para o liberalismo e mesmo assim vemos as madames de Higienópolis esfolando o teflon de suas panelas, por quê?  Simples. Quem quer a retirada da Dilma não é a elite, mas os grandes meios de comunicação, mais especificamente a Rede Globo de Televisão.

Essa emissora que nasceu logo após o golpe de 1964, não quer perder um negócio milionário tendo como o carro chefe a concessão na TV aberta e 89% dos canais da TV por assinatura segundo dados contidos no site da ANATEL. Uma empresa que fatura mais de 87% de todo o faturamento do mercado publicitário nacional segundo o site “Meio & Mensagem”.

Esses números foram capazes de colocar a família marinho no primeiro lugar dos bilionários brasileiros, de acordo com a revista Forbes o clã Marinho possui um patrimônio estimado em US$ 28,9 bilhões (cerca de R$ 87 BILHÕES DE REAIS).

Qual o poder de uma família que possui quase um trilhão de reais?

Cuidado, você pode estar ajudando uma família a chegar no topo da lista da Forbes, de graça, portanto, não seja estúpido, antes de sair de casa, reflita!

Eduardo Vinha é jornalista com atuações na área de assessoria de imprensa e mídia impressa.

Gosta de escrever, mas não encontra liberdade e espaço? Venha ser colunista do Projeto ArtenoMovimento. participe@artenomovimento.com.br

Link permanente para este artigo: http://artenomovimento.com.br/blog/o-alto-preco-da-verdade/

O COMBUSTÍVEL DA VIDA

Vamos conversar a respeito da água? Tudo bem eu sei que é mais relevante conversar sobre petróleo, afinal este é o combustível do capitalismo, mas prefiro ser chato e falar sobre algo que é menos importante nos dias de hoje.

Vamos conversar sobre o combustível da vida, a água.

O Brasil conta com a ANA (Agência Nacional das Águas), responsável pela aplicação e fiscalização da Lei de Recursos Hídricos, aprovada desde 1996 e que ainda está no papel.

Coisas do nosso país, a legislação foi criada e agora será necessário pôr em prática.

Esse assunto é importante e invisível, afinal tratamos a água com descaso e muito desperdício.

Talvez por achar que nunca vai faltar o H2O ou por falta de informação, a grande mídia não divulga os assuntos mais espinhosos e polêmicos. Por exemplo, a privatização da Sabesp e o futuro das represas no município de São Paulo.

Artigo de luxo no futuro

Artigo de luxo no futuro.

Segundo opiniões dos especialistas do setor, vai faltar água potável em São Paulo a partir de 2015. Não está tão distante assim, o aquecimento global e o derretimento das geleiras é para daqui a 60 anos, mas a água que os paulistanos bebem vai virar artigo de luxo.

Vamos começar pela privatização da Sabesp (Empresa de Águas e Saneamento Básico do Estado de São Paulo), água não foi feita para dar lucro, ao contrário, para tratar e descontaminar a água que chega na sua torneira vai um investimento muito expressivo.

Boatos indicam que esse serviço será privatizado em breve, com as mentiras de sempre, novas tecnologias e nenhum ônus para a população. Quem acredita?

Ao mesmo tempo, as áreas de mananciais – que são aquelas responsáveis pela produção de água e que por sua importância são protegidas por lei desde a década de 1970 – são alvo da expansão da mancha urbana dos municípios, caracterizada pelo deslocamento das populações mais carentes para as áreas periféricas.

Outro assunto que envolve essa pauta é a famosa transposição do rio São Francisco, com o relatório de impacto ambiental em mãos, o governo pode iniciar esse projeto que visa levar água para a população do semi-árido.

Para quem não é bobo, nem cego fica claro e evidente que isso é outra história para boi dormir.

Os maiores beneficiados com a transposição do rio, são os agricultores e pecuaristas da região. Vão usar água a vontade e de graça, o que sobrar do velho Chico os pobres podem beber sem tratamento, o governo só vai desviar o curso do rio para as regiões onde existem grandes propriedades, quem estiver perto vai aproveitar por pura sorte.

Pior é ver o nosso ex-presidente dizer que esse projeto é em benefício do povo nordestino que sofre com a seca e a miséria. Ninguém melhor do que ELE para saber o que é viver no semi-árido brasileiro.

Beba água, viva e nunca deixe o poder ou o dinheiro fazer você esquecer sua origem e seu passado. E não se esqueça de fechar a torneira quando escovar os dentes.

Eduardo Vinha é jornalista com atuações na área de assessoria de imprensa e mídia impressa.
Gosto de escrever sobre algo que vivi, penso ou imagino sobre diversos temas e assuntos. Sou apaixonado pela vida e seus momentos mágicos, aqueles que ficam gravados na retina e não apenas em um post no facebook. Contato: https://www.facebook.com/eduardo.vinha

 Gosta de escrever, mas não encontra liberdade e espaço?

Venha ser colunista do Projeto ArtenoMovimento. participe@artenomovimento.com.br

Link permanente para este artigo: http://artenomovimento.com.br/blog/o-combustivel-da-vida/

O SOFRIMENTO DE ANTÔNIO

As coisas não andam nada bem, para nosso amigo Antônio, as entrevistas de emprego continuam aparecendo, mas a tão esperada volta ao mercado de trabalho ainda não se concretizou.

No mundo capitalista, você é aquilo que você pertence, sua conta bancária está no azul, seu carro é do ano, então tudo bem, todos te amam e o universo te respeita. Realidade distante de alguns milhões, ou quem sabe até bilhões de pessoas que vivem no planeta Terra, a filial do inferno, paraíso de poucos.

Seu porto seguro agora se resume aos seus pais, sim, os pais nunca viram as costas para seus filhos e apesar de toda sorte de Antônio estar soterrada debaixo de sete palmos, ainda ele pode contar com a ajuda de seus criadores.

Por isso é sempre bom lembrar, ame seus pais.

Amor não resiste à falta de dinheiro, e ele sabia que mais cedo, ou mais tarde a sua esposa iria estourar. Agora, Antônio é um vagabundo que só sabe ver jogo de futebol pela televisão e ler bobagens na internet. Palavras de sua esposa.

Imagine a situação, você desempregado (e desesperado), sua dívidas aumentando, seu nome no Serasa (com o nome no cadastro de inadimplentes é impossível arrumar uma nova colocação no mercado, no Brasil, todas as empresas realizam uma pesquisa para ver se você está com o nome limpo, que paradoxo mais tupiniquim), agora aquela pessoa que estava ao seu lado, está contra você.

A vida continua, e na próxima entrevista, Antônio tem de estar impecável, sorridente, comunicativo, prestativo e atento a todas as perguntas da selecionadora.

Nervos de aço para uma alma de banana, é isso que o mercado quer, seus problemas ficam do lado de fora da sala, lá dentro você é um cara forte e capaz, mesmo concorrendo com os Q.Is (Quem Indica) da vida.

Em casa, ele nem pode dizer nada, a paciência da sua esposa até que durou muito, já que Antônio está desempregado a quase um ano. Podemos chamá-lo de vagabundo, a coragem que ele tinha para olhar no espelho, hoje ele não tem mais, justo Antônio que toda a noite chorava por não conseguir uma recolocação, seu senso auto-crítico parece que perdeu a voz, diante das afirmações de sua esposa.

Antônio não tem coragem mais para olhar nos olhos daquela pessoa que estava do seu lado, dando apoio e atenção. A vergonha de ser inútil é uma das piores sensações que um homem pode sentir.

Eduardo Vinha é jornalista com atuações na área de assessoria de imprensa e mídia impressa.
Gosto de escrever sobre algo que vivi, penso ou imagino sobre diversos temas e assuntos. Sou apaixonado pela vida e seus momentos mágicos, aqueles que ficam gravados na retina e não apenas em um post no facebook.

 

Gosta de escrever, mas não encontra liberdade e espaço? Venha ser colunista do Projeto ArtenoMovimento. participe@artenomovimento.com.br

Link permanente para este artigo: http://artenomovimento.com.br/blog/o-sofrimento-de-antonio/

VETTEL É BRASILEIRO!

Começo este texto dizendo que não sou Jornalista Esportivo, como o nosso colega Ivan Marconato, portanto peço desculpas pela minha total imparcialidade.

No último domingo aconteceu o Grande Prêmio da Malásia de Formula 1, e este infeliz que aqui vós fala, ficou assistindo até a última volta deste evento, que está perdendo as suas características de esporte. O que vemos hoje são pilotos chegando ao circo carregando na mala, muito dinheiro e pouca competência.  Entendo que dinheiro é importante para o esporte onde um conjunto de pastilhas de freio custa mais de dois mil dólares.

Paradoxalmente eu gosto de Formula 1, mas não sou apaixonado por carros, tanto que o meu não tem rodas esportivas, som potente ou um simples insulfilm. Automóvel é para a minha locomoção e não adoração.

Gosto de Formula 1 por causa do meu pai, ele que ouvia minha mãe dizer um dia: “Você fica mais com esse carro do que com o seu filho.”  Era verdade, mas tudo bem. O importante é que esse gosto ficou gravado no meu DNA. Eu simplesmente adoro Formula 1.

O que me deixa mais triste do que ver a falta de sagacidade do Massa, foi assistir a postura do Vettel no último domingo. Faltando dez voltas para o final da corrida, a equipe de Vettel disse para ele e seu companheiro Mark Webber reduzirem o ritmo para poupar pneus.

Vettel usou o seu alter ego brasileiro e aplicou a lei de Gerson em cima de Webber, contrariando as ordens da equipe, aumentando o consumo de pneus e pondo em risco uma dobradinha no pódio. Qual seria o final desta corrida se Webber comprasse a briga e não deixasse o seu companheiro ultrapassar?

O jeitinho brasileiro de Vettel é explicado por Roberto da Matta, sociólogo que descreve o jeitinho brasileiro como um comportamento histórico-cultural que está em nossas raízes.

Com essa atitude, Vettel disse para Webber: Você sabe com que está falando?

A falta de ética é algo desprezível, principalmente, quando é percebida por milhões de pessoas.

Você pode dizer que até Ayrton Senna foi antiético quando bateu no Prost na corrida de Suzuka em 1990, com o resultado ter ganhado o campeonato, certo? Errado!

Ayrton Senna deu o troco referente ao ano anterior onde Prost jogou o carro em cima do Senna para ganhar o campeonato.

O detalhe é que em 1989 ambos corriam pela mesma equipe e em 1990, Senna estava na Mclaren e Prost na Ferrari.

Senna teve a mesma atitude de David Mills na cena final do filme Seven, nada mais, nada menos.

Eduardo Vinha é jornalista com atuações na área de assessoria de imprensa e mídia impressa.
Gosto de escrever sobre algo que vivi, penso ou imagino sobre diversos temas e assuntos. Sou apaixonado pela vida e seus momentos mágicos, aqueles que ficam gravados na retina e não apenas em um post no facebook. Contato: https://www.facebook.com/eduardo.vinha

 Gosta de escrever, mas não encontra liberdade e espaço?

Venha ser colunista do Projeto ArtenoMovimento. participe@artenomovimento.com.br

Link permanente para este artigo: http://artenomovimento.com.br/blog/vettel-e-brasileiro/

QUANDO AS VOZES CALAM

Falar a respeito da vida é fácil, simples como misturar aquele açúcar, que fica no fundo do copo de café, de máquina. Encarar a morte é uma questão de tempo, pois mais cedo ou mais tarde você vai encontra-la.

O ceifador fez hora extra, na terça-feira, carimbou o passaporte do Hugo Chavez e mandou uma mensagem no Whatsapp para o Chorão, nela estava escrito:

Ai doidão, curte a sua fossa hoje, enche o rabo de cachaça, cheira cocaína até o nariz sangrar e não esquece de tomar o calmante que o seu médico receitou, abraços! The Reaper.

Ele saca o seu iPhone e lê:

– Que trote estranho, mas ai, curti essa Vibe.

Então vamos lá, começa esvaziando duas Budweiser geladas, para amenizar, vou descer duas carreias dessa farinha tipo A, só quem tem muito dinheiro que pode cheirar.

Pronto, bomba relógio ativada, a Glock engatilhada, cereja do bolo: qualquer pílula de Lexotan, BUP ou Revotril e tchau. Boa viagem meu poeta urbano.

Quantas vezes eu gritei, pulei e até vou além e cito sem pudor, quantas garotas eu beijei e amei ouvindo Charlie Brown Jr. Não foram muitas, mas foram fortes.

Vai lá cara, vai andar de skate no Ceú, sobe, voa, vira o surfista das tempestades paulistanas, vai ser backing e vocal dos Beach Boys.

No vizinho, uma nação triste, perdida e sem destino certo.

Seu comandante supremo, o Rei da Venezuela morreu, mas agora ficam as dúvidas: O que será da frágil democracia Venezuelana?

Quais são as propostas da oposição?

Hugo Chavez pode não ser o político mais coerente do mundo, porém os governos antecessores eram extremamente elitistas e corruptos.

Espero que a Venezuela se fortaleça e o poder econômico não seja o único aliado do governo.

Uma semana pesada, com perdas irreparáveis para diversas pessoas, mais uma semana que passa em nossas vidas com momentos de tristeza e de glória, sempre.

Eduardo Vinha é jornalista com atuações na área de assessoria de imprensa e mídia impressa.
Gosto de escrever sobre algo que vivi, penso ou imagino sobre diversos temas e assuntos. Sou apaixonado pela vida e seus momentos mágicos, aqueles que ficam gravados na retina e não apenas em um post no facebook.

 

Gosta de escrever, mas não encontra liberdade e espaço? Venha ser colunista do Projeto ArtenoMovimento. participe@artenomovimento.com.br

Link permanente para este artigo: http://artenomovimento.com.br/blog/quando-as-vozes-calam/

O ALTO PREÇO DA FELICIDADE

Como está difícil ser feliz ultimamente. Preciso de pouco, apenas morar em um apartamento de dois dormitórios com piscina e uma vaga na garagem. Também gostaria de ter um corpo sarado, atlético e viril, para as meninas ficarem loucas por mim.

Dentro da minha casa quero o básico: 2 televisores de LED a partir de 42 polegadas com acesso as redes sociais, youtube e sites de putaria. E falando nisso quero um pacote simples de TV a cabo com mais de 100 canais HD, incluído todos os canais eróticos e os pay-per-views de MMA e Futebol. Fico contente com uma conexão de fibra ótica. Outros equipamentos eletrônicos que não podem faltar, na morada de qualquer ser humano é um Playstation 3, um dock station para o Smartfone e algumas obras da dupla “Os Gêmeos” completam meu santuário.

Devido a minha humildade, aceito um carro pequeno, pode ser um HB20 ou um Smart, tanto faz. Fala a verdade, eu não preciso de muito para ser feliz.

Na balada eu não sou exigente, opto pelo básico: 7 cervejas Premium, 2 doses de tequila ouro, qualquer coisa para beliscar, e para comer escolho uma loira com 500 ml de silicone nos seios,  200 ml na bunda, lipoaspiração no abdômen e tinta no cabelo. A falta de cultura nunca foi problema, pois ela lê Paulo Coelho e gosta de Seicho-No-Ie.

Ainda bem que eu não sou influenciado pela mídia, que impõe desejos, necessidades e vontades superficiais, porque a sociedade caminha para o consumo desenfreado, com base em slogans de mentira, com poses de empresas sustentáveis.

Será que veremos no futuro, os Neurocirurgiões atuando como os Cirurgiões Plásticos dos dias atuais. A criatura entra no consultório e ao invés de pedir implante mamário irá perguntar qual o conhecimento da moda: os textos de Jean-Paul Sarte ou as principais obras de Van Gogh.

Não sei, mas também não ganho nada em ficar divagando sobre o futuro. O Renan Calheiros continuará roubando, e a crise na Europa infla os, já fumegantes, corações Ibéricos. Enquanto aqui temos o sangue quente apenas para festejar o carnaval ou torcer pelo nosso time do coração. Lutar por uma causa coletiva, é dar murro em ponta de faca.

Tenho uma preocupação maior, ser feliz. E para conquistar a desejada felicidade fazemos de tudo, seja trabalhar dia e noite, economizando para comprar um bem material, ou se apaixonando pela pior pessoa do mundo.

Será que às vezes caminhamos pela rota certa, mas com o calçado errado? Os nossos erros devem servir de referência, quando estamos prestar a tomar uma decisão importante?

Perguntas complexas que a mídia não responde. Mas se você estiver dentro de um Porsche Carrera, com o seu iPhone 5 e uma linda moça ao lado, fica muito mais fácil achar o caminho da felicidade, segundo eles.

O conceito de felicidade é algo totalmente individual e restrito, mas as propagandas criando desejos e anseios que não possuímos por natureza.

Não importa o que te faz feliz, eu desejo que você tenha vários dias felizes, independente da sua situação econômica, felicidade é deixar a sua marca no coração das pessoas.

Eduardo Vinha é jornalista com atuações na área de assessoria de imprensa e mídia impressa.
Gosto de escrever sobre algo que vivi, penso ou imagino sobre diversos temas e assuntos. Sou apaixonado pela vida e seus momentos mágicos, aqueles que ficam gravados na retina e não apenas em um post no facebook.

Gosta de escrever, mas não encontra liberdade e espaço? Venha ser colunista do Projeto ArtenoMovimento. participe@artenomovimento.com.br

Link permanente para este artigo: http://artenomovimento.com.br/blog/o-alto-preco-da-felicidade/

O DESCASO, A GANÂNCIA E A MORTE

A tragédia em Santa Maria é um ótimo exemplo de como a vida não vale nada. O que importa no mundo capitalista é somente uma coisa: o lucro.

Temos a formula da desgraça: dois empresários gananciosos, um produtor musical inconsequente, órgãos fiscalizadores ineficientes e um monte de jovens afins de diversão, música, bebida e festa.

A desgraça faz bem ao Ibope

Peço muita serenidade para todos os familiares envolvidos neste episódio e muita indignação também, para que erros infantis e tolos não sejam repetidos.

Desejo que a sociedade acorde e exija que as prefeituras, corpo de bombeiros e demais órgãos fiscalizadores façam apenas uma coisa, o seu trabalho.

Espero que um dia os brasileiros entendam, de uma vez por todas, que até pode existir “jeitinho” para tudo, menos para a morte.

Desprezo a forma como a mídia em geral, insiste em achar culpados antes do término das investigações, e como urubus malditos, ficam em cima da dor e do sofrimento de pais, mães, irmãos, avós e amigos. Por favor, deixem em paz, não é justo tanta exposição em troca de audiência.

Sofro a distância, mas o que sinto não é um grão de areia nesta praia chamada tristeza.

Espero que todo jovem só inale a fumaça bendita da paz, aquela que nós faz enxergar através das mentiras e hipocrisia que permeiam o mundo moderno.

Sonho em ver uma nação onde um Comandante fale a verdade, independente, de estar certo ou errado. Precisamos assumir nossas falhas e arcar com as suas consequências.

A morte de mais de duzentos e trinta jovens não pode ser em vão. Devemos acreditar que o poder econômico não deve, jamais, ser aliado da impunidade.

Aqueles garotos fandangueiros devem estar fazendo uma verdadeira algazarra no céu e vibrando para que seus amigos que estão lutando contra a morte nos hospitais tenham força para vencer a dor.

Que essa cólera que invade nosso coração seja o combustível para a esperança.

O segurança diz: “Que fogo, que nada guri! Só pode sair quem pagou a comanda, não adianta reclamar, gritar, espernear ou chorar. Ninguém sai!”.

Que boas vibrações cubram todos aqueles atingidos pelo fogo voraz da ganância e da estupidez.

Jovens continuem a viver dentro dos corações de seus entes queridos.

Eduardo Vinha é jornalista com atuações na área de assessoria de imprensa e mídia impressa.
Gosto de escrever sobre algo que vivi, penso ou imagino sobre diversos temas e assuntos. Sou apaixonado pela vida e seus momentos mágicos, aqueles que ficam gravados na retina e não apenas em um post no facebook.

 

Gosta de escrever, mas não encontra liberdade e espaço? Venha ser colunista do Projeto ArtenoMovimento. participe@artenomovimento.com.br

Link permanente para este artigo: http://artenomovimento.com.br/blog/o-descaso-a-ganancia-e-a-morte/

Posts mais antigos «